segunda-feira, maio 14, 2007

O papa não é pop, mas assiste TV

Terminou a temporada pontifícia, mas se a mídia, sobretudo a mídia impressa, souber reaproveitar os temas que afloraram nos últimos dias, poderá produzir uma pauta capaz de contrabalançar o pauperismo da atual discussão política. Estado laico, separação entre Igreja e Estado, concordata com o Vaticano, eram questões reservadas às altas esferas e agora estão na agenda cotidiana. Mas não se pense que elas dizem respeito apenas à Igreja Católica. A defesa do laicismo interessa também – e muito – a todos os que assistem ao loteamento desenfreado da nossa mídia eletrônica por confissões religiosas. A separação entre Igreja e Estado não deve confinar-se às pressões para oficializar o ensino religioso nas escolas públicas: deve transbordar obrigatoriamente para o Congresso onde já desfilam se exibem partidos religiosos monolíticos empenhados em fomentar a intolerância. A crítica do papa Bento XVI à erotização da mídia não se refere ao jornalismo, mas à teledramaturgia que galvaniza as audiências graças a uma apelação sexual barata. Não é todo o dia que se vê um papa observador da mídia. Vale a pena aprofundar suas provocações. Definitivamente, o papa não é pop, mas assiste TV.

2 Comments:

Anonymous Rafa said...

O melhor da visita do papa é que ele condenou tanto o aborto que o assunto vai continuar em pauta nos próximos meses. Pelo menos isso.

maio 14, 2007 4:04 PM  
Blogger Gabriel Araujo said...

Realmente, este papa veio pra provocar. Tem um jeito bem diferente do conciliador João Paulo II. Até ensino religioso católico ele propôs..

Ele não é pop como o JP, mas foi mais simpático do que se esperava.

E veio firmar posições, doa a quem doer. Gosto da atitude firme do 16, mas discordo de algumas posições.

Link do blog: http://ovencedornews.blogspot.com

maio 14, 2007 5:46 PM  

Postar um comentário

<< Home